» Notícias
28/06/2017
Tamanho da Fonte
 

Armazenagem preocupa e pode pressionar preços


 

A armazenagem de milho safrinha a céu aberto no Centro-Oeste brasileiro voltou a acionar o sinal de alerta para os históricos problemas de armazenagem no País. “Temos que lembrar que muitos armazéns de cooperativas e cerealistas ainda tem trigo estocado: cerca de 1,1 milhão de toneladas (MT) entre PR e RS, e se aproxima a colheita de mais trigo (5,4 MT)”, aponta a Consultoria Trigo & Farinhas.

O Brasil colhe neste momento uma super-safra de milho safrinha (63,52MT contra 40,77MT do ano passado), soja (setembro-dezembro – 113MT contra 95MT do ano passado) e milho verão (janeiro-fevereiro – 30MT, contra 23MT do ano passado). Serão nada menos que 48 milhões de toneladas a mais para armazenar nos próximos 8 meses.

A ONU recomenda que a capacidade de armazenagem de grãos de um país seja de 1,2 vezes a sua safra anual. A do Brasil, porém, é de apenas 0,71 vezes (produzimos cerca de 234MT e nossa capacidade de armazenagem é de 166MT, segundo o IBGE), não atingindo, portanto, o índice considerado adequado.

 

“Com isto, a armazenagem poderá ser um fator negativo para os preços a médio e longo prazos. Para evitar perder produto deteriorado a céu aberto ou por não ter espaço para armazená-los, os produtores poderão acreditar que vender a um preço menor seja o mal menor”, lembra o analista sênior da T&F, Luiz Carlos Pacheco. 

“Isto vale principalmente para o milho (que sofre com a retração do mercado de carnes), mas também para a soja, embora menos, porque esta tem demanda internacional ativa. No que se refere ao trigo, é também um fator limitante para novas elevações dos preços, embora uma alta de 20% já esteja cristalizada até este momento, mas poderá ser reduzida levemente com a safra, por pressão da colheita, voltando os preços a subirem depois de janeiro”, conclui.


Fonte: Agrolink